segunda-feira, 30 de março de 2009

Fauna: Comunidade aprende a conviver com os animais



Os estudantes Emerson Mateus Bortoluzzi, 14 anos, e Uriel Lorenço, 12, tiveram certeza de que estão no caminho certo quanto à preservação ambiental.

Moradores da comunidade de Rio Jordão, na área rural de Siderópolis, na região Sul do Estado, os dois já se depararam com capivaras a 50 metros da varanda da casa de Emerson. Eles apenas observaram a visita inesperada do roedor, sem agressões.

– É bom ver assim de perto, mas é melhor que estejam soltas. Achei bonitas, grandonas e peludas. Depois que contamos ter visto, alguém as matou – lamenta Emerson.

A diretora da escola municipal Miguel Lazzarin, Rita de Cássia Brignoli, acredita que a comunidade não tem noção da área em que se encontra. Para Rita, o local é praticamente protegido pela reserva do Aguaí.

Há poucos dias, a escola recebeu a visita da equipe do projeto Felinos do Aguaí e cerca de 50 alunos conheceram a importância da biodiversidade e a necessidade de conservação.

– Já tinha ouvido falar em todos esses animais porque meu pai caçava para subsistência. Mas saber que estão voltando para seu hábitat é muito bom, por haver condições saudáveis. Enriquece nosso material escolar, pois poderemos trabalhar de forma multidisciplinar com os alunos – comenta a professora Rita de Cássia.

Na casa da professora e agricultora Maria de Lourdes Pazetto Marcelino, 46 anos, é comum encontrar tatu, quati e ouriço. Para preservar os animais, ela começou a cercar a própria casa, já que a reserva biológica não é delimitada fisicamente, apenas mapeada.

– O maior valor é ver os animais retornando. Acredito que a mineração na cidade tenha refletido diretamente para o desaparecimento de algumas espécies. Agora temos novamente um privilégio – diz a professora.

Além de escolas, o Projeto Felinos do Aguaí também faz trabalhos de conscientização ambiental, através de palestras, em instituições e empresasas.


Fonte: Diário Catarinense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar