sexta-feira, 24 de julho de 2009

Bico de tucano refresca ave, diz estudo

Brasileiros e canadense mostram que órgão ajuda a dispersar calor.
Função do apêndice, o maior de todas as aves, era misteriosa.

Não existe nada mais chamativo do que o amarelo-vivo de um bico de tucano, mas o que realmente importa está debaixo da "pintura" vistosa do apêndice: vasos sanguíneos. Uma rede sofisticada de artérias e veias que, conforme acaba de demonstrar um trio de pesquisadores, dois dos quais brasileiros, ajuda o bicho a liberar o excesso de calor de seu corpo, como uma forma biológica de ar condicionado. Depois de séculos especulando sobre a possível função desse órgão tão peculiar, os cientistas finalmente parecem ter chegado a uma resposta sólida.

Foto: Tucano adulto no Pantanal

Tucano adulto no Pantanal (Foto: Thiago Filadelpho/Divulgação)

"Peculiar", aliás, é eufemismo. Darwin, Buffon e outros naturalistas pioneiros ficaram bobos diante do apêndice do tucano-toco (Ramphastos toco) porque, proporcionalmente falando, ele é o maior bico entre todas as aves conhecidas. Mas a tríade de pesquisadores formada por Denis Andrade, Augusto Abe (ambos do Departamento de Zoologia da Unesp de Rio Claro, no interior paulista) e Glenn Tattersall (da Universidade Brock, no Canadá) percebeu um detalhe importante. O bicão do tucano-toco preenche todos os requisitos para funcionar como um radiador termal, ou "ar condicionado" biológico: tamanho avantajado, grande presença de vasos sanguíneos (ou vascularização, como se diz) e contato direto com o ambiente.

Do G1

Reinaldo José Lopes

Do G1, em São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar