terça-feira, 30 de março de 2010

Urso polar surgiu há 150 mil anos

A análise genética de um raro fóssil de urso polar (Ursus maritimus) achado no Ártico revela que a espécie se separou do urso pardo há 150 mil anos e como reagiu a mudanças climáticas no passado.

O estudo, publicado na "PNAS", mostra a evolução de uma das espécies mais ameaçadas pelo aquecimento global.

Mas, apesar de sobreviver a um retorno às condições mais quentes, eles podem não ser capazes de acompanhar o ritmo acelerado das mudanças climáticas provocadas pelo homem, dizem cientistas.

- Descobrimos que os ursos polares sobreviveram ao último período interglacial, mais quente que o atual - afirmou Charlotte Lindqvist, da Universidade de Buffalo, principal autora do estudo, lembrando que a região onde o fóssil foi achado poderia ser uma espécie de refúgio. - Entretanto, as atuais mudanças climáticas estão acontecendo num ritmo tão acelerado, que não sabemos se os ursos polares serão capazes de acompanhá-las.


A evolução dos ursos polares apresentou um enigma porque seus antigos fósseis são muito raros. Normalmente, os fósseis são preservados em sedimentos. Mas porque os ursos polares vivem no gelo, seus restos mortais tendem a cair para o fundo do oceano ou são removidos por catadores.

Em 2004, cientistas descobriram uma mandíbula rara e bem preservados e fossilizados de um dente canino no arquipélago norueguês de Svalbard. Análise de DNA extraído de espécimes revelou agora pistas importantes sobre as origens dos ursos polares.

O líder do estudo Dr. Charlotte Lindqvist, da Universidade de Buffalo, disse: "Nossos resultados confirmam que o urso polar é uma espécie evolutivamente jovem que se separou de ursos marrons há cerca de 150.000 anos atrás e evoluído de forma extremamente rápida durante o Pleistoceno tardio, talvez adaptando-se às abertura de novos hábitats e fontes alimentares, em resposta às mudanças climáticas, pouco antes do último período interglacial ".

O período Pleistoceno tardio foi marcado por glaciações extensas, com folhas de gelo que cobre grande parte do hemisfério norte. Muitos animais de grande porte se extinguiram durante esse tempo, incluindo mamutes, os gatos de dentes de sabre e preguiças, como fez o homem de Neanderthal.

Como o Pleistoceno abriu caminho para o Holoceno cerca de 12.000 anos atrás, o mundo tornou-se mais quente e o gelo recuou. Os ursos polares continuaram a sobreviver, limitando-se ao gelo do Árctico onde vive até hoje, por caçar focas.

Os espécimes fósseis da Noruega datam cerca de 110.000 a 130.000 anos de idade.

O DNA de suas mitocôndrias - a energia de geração de energia em células de plantas - foi comparada com a de uma população de ursos pardos no Alasca acredita ser a parentes vivos mais próximos dos ursos polares. Análise do DNA ajudou a identificar quando os ursos polares apareceram pela primeira vez como uma espécie distinta.

"Nós descobrimos que os ursos polares na verdade sobreviveram ao período de aquecimento interglacial, que era geralmente mais quente que o atual," disse o Dr. Lindqvist

"É possível que em Svalbard (um território do árctico norueguê) poderia ter servido como um refúgio para os ursos, proporcionando-lhes um habitat onde poderiam sobreviver. No entanto, as alterações climáticas já podem estar ocorrendo em um ritmo tão acelerado que não sabemos se os ursos polares vão ser capazes de manter para cima. "

Os ursos polares como espécie pode ser menos adaptável do que seus ancestrais ursos pardos, acredita o Dr. Lindqvist.

"O urso polar pode ser evolutivamente mais restrito, porque hoje é muito especializado; morfológica, fisiológica e comportamental bem adaptada à vida na borda do gelo do Ártico, sobrevivendo de algumas espécies de focas", acrescentou.

O Globo

Um comentário:

Sinta-se a vontade para comentar