segunda-feira, 10 de maio de 2010

Chimpanzés se parecem mais com humanos do que se achava


Comportamentos similares vão muito além de copiar trejeitos e usar roupa.
Animais aprendem um com o outro e são capazes de trabalhar em equipe.

Para a primatologista Sue Savage-Rumbaugh, não há dúvida: chimpanzés e bonobos podem ficar ainda mais humanosPara a primatologista Sue Savage-Rumbaugh, não há dúvida: chimpanzés e bonobos podem ficar ainda mais humanos (crédito: fotógrafo Jarod Carruthers / Flickr - creative commons, a-nc-nd, 2.0)
Pesquisas recentes reforçam cada vez mais o que os cientistas têm descoberto nos últimos anos: que os chimpanzés são muito mais parecidos com os humanos do que se imaginava. Já se sabia que os chimpanzés dividiam mais de 99% dos genes com os humanos. Mas seriam eles tão próximos a ponto de ter algo que sempre pensamos ser uma exclusividade nossa – a capacidade de transmitir conhecimento e até de conversar?
Para responder a essa pergunta o repórter da BBC Danny Wallace foi investigar casos de chimpanzés que têm comportamentos bastante humanos, que vão muito além de copiar trejeitos e usar roupa.
Em um experimento, há duas formas de os macacos conseguirem tirar o doce de dentro da caixa. Eles podem empurrar a abertura usando uma vara ou levantar a alavanca. O que os primatologistas fizeram foi ensinar um chimpanzé a empurrar e outro a levantar a alavanca.
O passo seguinte foi colocar cada macaco com um grupo diferente de chimpanzés e ver o que acontecia. O resultado intrigou os cientistas. Os chimpanzés ensinaram os outros a alcançar o doce. Mas cada grupo aprendeu apenas um jeito de fazer isso. Assim, surgiram duas culturas separadas. A daqueles que empurravam e dos que levantavam a alavanca.
“Você pode empurrar ou levantar e as duas coisas vão funcionar”, explica a cientista Victoria Horner. “Mas como cada grupo usa apenas o método que aprendeu, essa é a primeira evidência realmente forte de que os chimpanzés passam conhecimento adiante.”
Além de aprender um com o outro, os chimpanzés são capazes de trabalhar em equipe? Os humanos fazem isso o tempo todo, mas será que nossos parentes conseguem?
Em outro experimento, os cientistas colocaram cordas para que os chimpanzés puxassem as bananas. Mas elas estão afastadas demais para serem puxadas pelo mesmo macaco. E, se ele puxar apenas uma das pontas, não vai conseguir as bananas.
Sozinho, nosso amigo vai ficar com fome, a não ser que peça ajuda. O uso da lógica nesse caso é perfeito. Ele olha o companheiro preso, avalia o problema e resolve soltar o outro chimpanzé para ajudá-lo. O trabalho em equipe é um sucesso e tem banana para todo mundo.
Inteligência bonobo
Mas os resultados mais impressionantes são os obtidos pelos bonobos. Esses primatas são considerados por alguns cientistas os animais mais inteligentes depois do homem. Para espanto de Danny, eles são famosos por um outro comportamento bem humano. Os bonobos acreditam que o sexo casual fortalece os laços dentro do bando. Vivem como nos anos 60, na era do amor livre.
A primatologista Sue Savage-Rumbaugh trabalha com os bonobos há 25 anos e conseguiu algo fantástico: conversar com os bonobos com frases simples e cartelas com desenhos.
Sue pergunta se Panbanisha quer cenouras ou quer brincar de massinha. Panbanisha aponta as cenouras. Quando está com fome, Panbanisha até cozinha. Só precisa de ajuda. Ela coloca a panela no fogão e acende o fogo enquanto a Sue conversa com ela. “Você tem de tirar a embalagem de dentro da panela. Puxe bem rápido para não se queimar”, diz a cientista. “Talvez você possa usar uma faca. Você está vendo uma faca? Pegue a faca”, sugere Sue. Panbanisha usa a faca para tirar a embalagem da panela e depois evita que ela pegue fogo.
Mas não para por aí. Danny encontrou uma prova única da inteligência desses animais. Usando um computador, essa bonobo, chamada Konzy, une símbolos para formar frases e conversar com os humanos.
A questão que a ciência procura responder agora é: será que chimpanzés e bonobos podem aprender ainda mais? Nossos primos mais próximos na natureza poderiam ficar mais humanos? Para a doutora Sue não há dúvidas disso. O que se espera é que fiquem parecidos apenas nas coisas boas.
Fonte: Globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar