domingo, 18 de julho de 2010

Cobras gigantes. Mitos e verdades

São muitas as estórias sobre serpentes gigantes, tanto no folclore como na mídia sensacionalista. Cobras gigantescas povoam os pesadelos dos ribeirinhos em muitas partes do mundo, inclusive em algumas partes do Brasil.

Muito conhecida é a lenda da cobra grande, também denominada mãe d’água ou boiúna, e descrita como uma serpente enorme, tão grande como um barco, com olhos negros e esbugalhados. Ágil, ela desliza sobre as águas dos rios amazônicos com incrível rapidez, uivando de forma amedrontadora.

Essa lenda baseia-se na sucuri que também deve ter servido de inspiração para certos jornais que noticiaram o encontro, no interior da Amazônia, de cobras com 30 e até 40 metros de comprimento. Os produtores do cinema norte americano também se inspiraram na sucuri para criar o filme “Anaconda” que, recentemente, pôde ser apreciado no cinema e na televisão.

Por sinal, “anaconda” é o nome em inglês da nossa sucuri. Mas será que tais monstros existem? NÃO, eles não existem. A maior serpente do mundo é a píton-reticulada (conhecida pelos cientistas como Python reticulatus), que vive nas florestas do sudeste asiático. Ela pode alcançar até 10 metros de comprimento.

A sucuri (conhecida pelos cientistas como Eunectes murinus), que vive na Floresta Amazônica, é a segunda maior em comprimento, podendo alcançar cerca de 9 metros. Mesmo sendo bem menores que as serpentes das lendas, seu tamanho certamente impressiona.

Um animal adulto, de grande porte, pode matar e engolir um jacaré, um veado e até mesmo um homem. Matam suas presas através da constrição, isto é se enrolam nela, apertando até que morram asfixiadas. Durante esse processo, é comum que alguns ossos sejam fraturados.

Não é verdade que elas possam engolir um boi, deixando os chifres para fora da boca até que apodreçam e caiam. Essas estórias fazem parte das lendas sobre serpentes gigantes. Mitos a parte, são animais belíssimos, com importante papel na cadeia ecológica e que hoje em dia correm sérios riscos devido à caça.

Na Casa das Serpentes Gigantes do Zoológico de São Paulo, é possível observar um grupo de cinco sucuris com comprimento entre 3 e 3,5 metros. Para breve, planeja-se a exposição de um macho e uma fêmea de píton-reticulada, ele com cerca de 3,5 metros e ela com 5,5 metros.

Venha conferir.

www.zoologico.sp.gov.br
Flávio de Barros Molina
Chefe do Setor de Répteis

4 comentários:

  1. É verdade que cobra não gosta de cheiros muito fortes , como o de alho por exemplo, e por isso quando sentem esse cheiro se afastam?

    ResponderExcluir
  2. A piton é maior e mais rápida que a sucuri.Mas o réptil mais voraz que se tem noticia é o crocodilo do nilo que é menor que o de agua salgada porém é mais agressivo que esse.

    ResponderExcluir
  3. morro de medo de cobras mas me sinto super atraida ao ver uma .pq sera?no entanto adoro animais,selvagens e silvestres.

    ResponderExcluir
  4. Ta errado essa informação...

    A sucuri verde pode ficar bem maior q a piton reticulada.
    A maior sucuri ja vista (sendo de fonte confiavel) tinha 11,6o cm.
    Foi vista e capturada pelo então 1º tenente Cândido Rondon. (q futuramente se tornaria marechal)

    Certamente hj já ñ se encontra mais dessas. Devido a sua caça desenfreada.
    Porém com toda certeza ainda deve haver algumas nos mais remotos e escondidos habitates da Amazonia.

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para comentar