sábado, 18 de setembro de 2010

Acasalamento. Pássaro-cetim cria ilusões de ótica para atrair a fêmea

O pássaro-cetim, espécie da ave, é conhecido por criar situações de acasalamento diferentes do usual. Um estudo da Universidade de Deakin, Austrália, diz que, além disso, pássaros-cetim também constroem cenários que os fazem parecer maiores do que são para conquistar fêmeas. As informações são do site da Discovery News.

 pássaro-cetim macho
Os cientistas acreditam que o pássaro-cetim seja o primeiro animal além dos humanos a criar situações que alteram perspectivas visuais no olhar de outros indivíduos. No caso desta ave, as fêmeas as quais o pássaro deseja uma relação.

"Esta espécie faz isso há mais tempo do que imaginamos", disse ao site da Discovery John Endler, professor de Ecologia Sensorial da universidade e líder da equipe do estudo. "Os humanos não começaram a criar ilusões antes do século XV. Pássaros já faziam antes disso", completou Endler.


A construção dos machos do pássaro consiste em uma estrutura oca com uma entrada central, que leva ao centro. O centro é o local em que o macho recebe a fêmea. O vão faz com que as fêmeas só possam ver o centro de um ângulo. Os machos, então, constroem a estrutura de forma com que a fêmea tenha a impressão de que tudo que está dentro seja maior do que realmente é.

Futuramente, Endler conta, os cientistas desejam descobrir se realmente a ilusão criada é garantia de sucesso com a fêmea e se outras espécies de animais também utilizam este método.


Pássaros-cetim que se mostram mais inteligentes atraem um número maior de parceiras, segundo um estudo da Universidade de Maryland publicado pela revista científica "Animal Behaviour".

Os pesquisadores aplicaram uma série de testes cognitivos a machos da espécie para avaliar sua capacidade de resolução de problemas.

Os pássaros que tiveram melhor desempenho também foram os que procriaram com mais fêmeas, em comparação com os pássaros menos inteligentes.

Este é o primeiro estudo a mostrar que os machos que se saem melhor na resolução de problemas também têm maior número de parceiras.

Os cientistas estudaram os pássaros-cetim (Ptilonorhynchus violaceus) que vivem na floresta ao sul de Brisbane, na Austrália.


Os pássaros-cetim são conhecidos por seu complexo sistema de cortejar as fêmeas e a construção de elaborados ninhos, na forma de caramanchões.

Os machos passam horas construindo o ninho, que decoram por dentro com objetos coloridos e até flores. As fêmeas visitam os ninhos antes de escolher os machos.

"Os pássaros-cetim são o tipo de pássaro que faz você pensar que a expressão 'cérebro de passarinho' deveria ser usada como um elogio", disse Jason Keagy, que liderou o estudo.

Os cientistas desconfiaram que, por conta do complexo sistema para cortejar as fêmeas, os pássaros mais inteligentes teriam vantagens.

Teste - Para descobrir o quão inteligente os pássaros eram, os cientistas desenvolveram uma série de testes envolvendo resolução de problemas.

"Os pássaros-cetim machos não gostam de objetos vermelhos dentro de seus ninhos e imediatamente tentam removê-los", disse Keagy.

"Nós criamos situações em que os machos tinham que remover um obstáculo para remover os objetos vermelhos. O primeiro teste consistia em um pote transparente colocado sobre três objetos, e os machos tinham que encontrar um meio de derrubar o pote para retirar os objetos ofensivos."

"Os melhores em resolução de problemas conseguiram remover o pote mais rapidamente", disse ele.

 Casal de pássaros-cetim
A equipe de cientistas ainda desenvolveu um segundo teste em que os pesquisadores fixaram um azulejo no chão, que o pássaro-cetim não poderia remover. Os pássaros mais inteligentes perceberam isso mais rapidamente e cobriram o azulejo com folhas e gravetos.

Quando os cientistas avaliaram o sucesso dos pássaros junto ao sexo oposto, descobriram que os que se saíram melhor nos testes também tinham maior número de parceiras.

"Cérebro sexy" - Há várias razões potenciais para a o sucesso dos machos inteligentes, explica Keagy.

"Ajuda se pensarmos no cérebro como uma vitrine da qualidade genética de um macho por conta da complexidade do cérebro", disse ele.

Por exemplo, diz Keagy, outros estudos mostram que indivíduos doentes, com muitos parasitas, em geral não se saem bem em testes cognitivos. Esses mesmos machos geralmente têm parasitas por causa de um sistema imunológico deficiente.

"Se você for fêmea, esses não são os tipos de genes que você quer encontrar no pai de seus filhos."

"Além disso, se você está falando de fêmeas de uma espécie em que o macho também assume responsabilidade sobre os filhos, os machos mais 'inteligentes' podem se sair melhor na procura de comida e em cuidar dos filhos e, portanto, ser uma escolha melhor de parceiro", diz ele.

Escolha - "Neste momento, não sabemos com certeza como as fêmeas estão escolhendo parceiros mais 'inteligentes', mas há duas hipóteses básicas de como isso pode ocorrer", afirma Keagy.

"As fêmeas podem ter evoluído para escolher machos que tem inteligência cognitiva superior e observam o comportamento deles durante a corte que indicam o quão 'inteligente' eles são."

O complexo sistema de cortejar dos pássaros-cetim, que envolve dança, e a construção dos ninhos permite às fêmeas ter uma idéia de seu desempenho cognitivo.

Outra possibilidade, sugere Keagy, é que os machos usem seus cérebros para convencer as fêmeas a não deixá-los. Eles podem fazê-lo ao responder efetivamente aos sinais das fêmeas, já conhecidos na espécie.

"O mais provável é que esteja ocorrendo uma espécie de combinação dessas duas coisas", diz Keagy.

O cientista espera que o estudo levante a discussão sobre como a seleção sexual pode influenciar a evolução cognitiva.

"Normalmente, quando a evolução do cérebro é discutida, a gente supõe que deve ter sido um tipo de seleção natural, como melhor desempenho em procurar comida ou se integrar em grupos sociais", diz o cientista.

"Mas nós não podemos ignorar que, a menos que um macho consiga se reproduzir com uma fêmea, ele não vai passar seus genes adiante. Se o animal carrega algo tão grande e valioso como um cérebro, por que não usá-lo para aumentar suas chances de procriar?"

Fonte: Ambiente Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar