domingo, 3 de outubro de 2010

Avô dos pinguins era gigante e não usava black-tie

Paracasensis Inkayacu: Penguin 'Rei da Água "Gigante, 5 metros de altura, descoberto no Peru  e viveu a partir de 36 milhões de anos atrás


WASHINGTON - Alguns pingüins antigos podem ter sido duas vezes maior do pingüim imperador, mas eles não tinham o smoking elegante. Os pesquisadores desenterraram restos de um pingüim de quase 5 metros de altura que percorriam o que é agora o Peru há cerca de 36 milhões de anos atrás, e eles também descobriram penas fossilizadas que mostram na época, a ave que não voa foi uma mistura mais variada de castanho-avermelhado e cinza.

Um relatório de quinta-feira na revista Science é mais do que uma curiosidade sobre a cor. Analisando os fósseis, conduziram a uma nova descoberta sobre pinguins modernos, que por sua vez, levantam questões sobre como as suas penas evoluíram para ajudá-los a tornar-se exímios nadadores tal.

É um dos maiores pinguins que já viveu, estima-se ter sido duas vezes mais pesado que o pingüim imperador média de hoje. A segunda espécie de pingüim gigante descoberto no Peru, foi dado o nome paracasensis Inkayacu, ou Rei da Água, que faz parte de um conjunto de espécies de pingüim extintos que aparentemente variou durante grande parte do hemisfério sul.

Um golpe de sorte ajudou os paleontólogos encontrarem as penas. Um aluno da equipe de escavação, do Museu de Historia Natural, em Lima, descobriu o fóssil de pé e percebeu que tinha escalas, evidência de tecido mole que raramente é preservada. Talvez houvesse mais moles e, nesse caso, teriam de escavar com cuidado extra.

"Ficamos incrivelmente animado", disse o paleontólogo Julia Clarke, da Universidade do Texas em Austin, que liderou a equipe. "Movendo muito devagar, floco por floco por floco através deste bloco gigante", eles finalmente descobriram uma palheta de camadas de penas pequenas e sob ela, penas do corpo fossilizado, também.

Na superfície, elas foram dadas forma como as penas de pingüins moderno. Picolé em forma de penas das asas eram densamente empilhados em cima uns dos outros para criar uma palheta rígidos, afirmou Clarke.

Quando olharam mais profundamente, as penas eram muito diferentes. A forma exterior, aparentemente, desenvolveu-se antes algumas alterações microscópicas que podem desempenhar um papel na proeza subaquática pingüim.

Pigmento é muito corrido em fósseis. Mas deixou para trás nas penas pode ser pacotes microscópicos chamados melanossomos que na vida continha pigmentos de produção - e o formato dos melanossomas corresponde a cores diferentes. Assim, os pesquisadores compararam uma biblioteca de melanossomas de aves vivas com estes fossilizados.

A grande surpresa é que ele acaba por pingüins modernos tem melanossomas grandes embalado em cachos de uva-like, ao contrário de qualquer outra ave conhecida, enquanto melanossomas menores do pingüim gigante extinta se assemelhavam ao de outras aves, disse Clarke.



O fóssil de um pinguim gigante de 36 milhões de anos deu aos cientistas as primeiras pistas sobre a evolução das penas desta ave capaz de suportar temperaturas congelantes e nadar como se estivesse voando. E diferente dos pinguins atuais, que parecem vestir smokings, este antigo ancestral, batizado de Inkayacu paracasensis, ou "Rei da água", usava outro "guarda-roupa", em tons marrom-avermelhados e de cinza.

- Antes deste fóssil, não tínhamos nenhuma evidência sobre as penas, cores e formato das nadadeiras dos antigos pinguins. Tínhamos várias questões e esta é nossa primeira chance de respondê-las - comenta Julia Clarke, paleontóloga da Universidade do Texas e principal autora do artigo sobre a descoberta publicado na edição desta quinta-feira da revista "Science".

O fóssil de mais de 1,5 metro de altura, quase o dobro do maior exemplar atual da espécie, o pinguim imperador, foi encontrado pelo estudante peruano Ali Altamirano na Reserva Nacional de Paracas, no Peru. Ele mostra que o formato das nadadeiras e penas que fazem dos pinguins tão bons nadadores evoluíram muito cedo na espécie, enquanto as cores hoje características destas aves só teriam surgido muito mais recentemente.

Como os pinguins atuais e diferentemente das outras aves, as penas do Inkayacu tinham um formato radicalmente alterado e eram densamente agrupadas umas sobre as outras, dando forma a rígidas e finas nadadeiras, além de ajudarem a dar ao animal um contorno mais eficiente para se mover na água.

www.huffingtonpost.com e O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar