quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Elefantes, as criaturas inteligentes

Os elefantes são os maiores animais terrestres. O elefante tem um período de gestação de 22 meses, o maior entre qualquer animal terrestre. Ao nascer, é comum que um filhote de elefante pese 120 kg. Eles costumam viver de 50 a 70 anos, mas o mais antigos dos elefantes viveu por 82 anos. O maior elefante já registrado foi filmado em Angola , em 1956. Este macho pesava cerca de 12.000 kg (26.000 lb), com uma altura do ombro de 4,2 metros (14 pés), um metro (metro) mais alto que o elefante Africano masculino médio. O menor elefante, aproximadamente do tamanho de um bezerro ou um porco grande, era uma espécie pré-histórica que vivia na ilha de Creta durante a época do Pleistoceno.

O elefante tem aparecido em culturas de todo o mundo. Eles são um símbolo de sabedoria em culturas asiáticas e são famosos pela sua memória e inteligência, onde se pensa estar em pé de igualdade com os cetáceos e hominídeos . Aristóteles disse uma vez o elefante era "a besta que excede todas as outras em inteligência e mente" . A palavra "elefante" tem sua origem no grego ἐλέφας , que significa "de marfim" ou "elefante".

Elefantes adultos saudáveis não têm predadores naturais , embora os leões possam devorar crias ou indivíduos fracos. São, no entanto, cada vez mais ameaçados pela intrusão humana e caça furtiva. Depois de numeração na casa dos milhões, a população do elefante Africano encolheu-se entre 470.000 e 690.000 indivíduos. O elefante é agora uma espécie protegida em todo o mundo, com restrições em vigor em matéria de captura, uso doméstico, e ao comércio de produtos como o marfim .


Biologia e comportamento
O comportamento social

Os elefantes vivem em uma ordem social estruturado. A vida social dos elefantes machos e fêmeas são muito diferentes. As fêmeas passam a vida inteira em grupos familiares muito fechadas formado por mães, filhas, irmãs e tias. Estes grupos são liderados pelo mais velho do sexo feminino, ou matriarca . Os machos adultos, por outro lado, viver uma vida mais solitária.

O círculo social do elefante fêmea não termina com a unidade familiar pequena. Além de encontrar os homens locais que vivem à margem de um ou mais grupos, a vida da mulher também envolve interação com outras famílias, clãs e sub-populações. A maioria dos grupos familiares mais próximos vão de cinco a quinze adultos, bem como um número de fêmeas e machos imaturos. Quando um grupo se tornam muito grandes, algumas das filhas mais velhas vão se romper e formar seu próprio grupo pequeno. Eles continuam a ser muito consciente de que os rebanhos locais são familiares e quais não são.

A vida do macho adulto é muito diferente. Como ele envelhece, ele começa a passar mais tempo na borda da manada, aos poucos a sair por conta própria durante horas ou dias em um momento. Eventualmente, os dias se tornam semanas, e algo em torno de quatorze anos de idade, o homem maduro, ou touro, define de seu grupo natal para o bem. Enquanto os machos vivem vidas essencialmente solitário, que, ocasionalmente, formar associações soltos com outros machos. Esses grupos são chamados rebanhos solteiros.Os machos passam muito mais tempo do que as fêmeas lutando pelo domínio uns com os outros. Somente os machos mais dominantes serão autorizados a cruzar com fêmeas no cio. Os menos dominante devem esperar sua vez. Costuma-se os machos mais velhos, de quarenta a cinqüenta anos, que tornam-se a maioria dos reprodutores.

As batalhas dominância entre machos pode ser muito acirrada, mas normalmente eles infligem poucos ferimentos. A maioria dos ataques são em forma de mostra de agressiva e blefes. Normalmente, o animal menor, mais jovem e menos confiante vai recuar diante de qualquer dano real possa ser feito. No entanto, durante a época de reprodução, as batalhas podem ficar extremamente agressivas, e o elefante ocasionalmente fica lesionado. Durante esta época, conhecido como cio , um macho vai lutar com quase qualquer outro macho que encontrar, e vai passar a maior parte de seu tempo em torno dos efetivos do sexo feminino, tentando encontrar um parceiro receptivo.

elefante-africano


Elefantes as criaturas inteligentes
Os elefantes são extraordinariamente complexos e auto-consciente como indivíduos. Eles possuem sofisticados cérebros e são muito inteligentes. Eles têm importantes habilidades cognitivas e constroem um entendimento inteligente possível em seu mundo através de uma interação complexa de experiências, a aprendizagem e a memória social. Elefantes têm um interesse em suas próprias vidas e nas vidas de seus seus próprios parentes, bem como tratadores humanos. Eles experimentam emoções intensas e intensa angústia,  sofrem quando testemunham os membros da família serem mortos por pessoas e quando são separados do entorno familiar.

Elefantes se comunicam através de seus troncos, orelhas, rabos e voz. Elefantes cumprimentam uns aos outros por entrelaçamento de seus troncos, como um aperto de mão. Eles também vão utilizá-los enquanto jogam luta, acariciando-se. Durante o namoro e interações criança-mãe, e para mostrar dominância , a tromba levantada pode ser um aviso ou uma ameaça, enquanto um tronco abaixado pode ser um sinal de submissão. Elefantes podem se defender muito bem agitando os troncos aos intrusos indesejados ou agarrando e arremessando-os.

A tromba de um elefante desenvolveu um elevado sentido do olfato. Ao elevar o tronco para cima no ar e balançando-o de um lado para outro, ele pode localizar amigos, inimigos e fontes de alimento.

Elefantes fazem sua saudação aos amigos  ronronando estrondoso. Quando perdido, o elefante jovem trompetea em voz alta para as mães e quando em perigo.

Elefantes comuniquem a distâncias curtas utilizando freqüências que são inaudíveis aos seres humanos. O chamadas de baixa frequência também geram poderosas vibrações no solo - é possível sentir os sinais do elefantes, e até mesmo interpretar, através dos seus pés sensíveis e troncos a sísmica.  Isto vem a calhar para localizar membros efetivos perdidos ou  o local de nascimento ou alertar a chamada de emergência sobre a disponibilidade de machos para cruzar com fêmea. Há também pistas químicas, essa comunicação ajuda. Feromônios secretado pela glândula temporal e urina podem viajar distâncias curtas, um ótimo passe de mensagem, como a saúde e o estado reprodutivo.

Quando o terrível tsunami que atingiu as regiões costeiras da Ásia em 2004, foi noticiado elefantes treinados na Tailândia se agitaram e fugiram para terrenos mais altos antes da onda devastadora atingir a costa. Eles estavam respondendo a boa frequência de ondas baixas geradas pelo tsunami.

Estrutura Social dos Elefantes
A seqüência do vídeo mostra um coração maravilhoso. Um exemplo de comportamento cognitivo dos elefantes. Ele mostra como o bebê elefante desliza na corrente barrenta da água e é puxada para fora e com os esforços conjuntos de vários elefantes. Aviso de alarme trombeteado por elefantes  e de como suas caudas ficam elevadas, indicando que suas mentes estão agitadas.(scienceray.com e ourtros)



Hector H. Munro Saki, em seu livro "Reginald on Besetting Sins", afirma que as mulheres e os elefantes nunca esquecem uma ofensa. Em relação aos elefantes, o autor britânico sabia o que estava falando. Quase um século depois da publicação do livro, observações minuciosas confirmaram que os elefantes, de fato, lembram-se de ofensas e guardam rancor de quem os ofendeu. Um estudo feito nos elefantes africanos descobriu que os animais reagem negativamente quando vêem e sentem o cheiro da roupa usada pelos membros de uma tribo Maasai próxima. Por que esse ressentimento? Os homens Maasai atacam os elefantes com lança como uma forma de mostrar sua masculinidade.
As manadas de elefantes são grupos solidários com interações complexas

Há outras evidências que sugerem que os elefantes também se lembram dos treinadores que os maltrataram mesmo após anos de separação. De forma semelhante, os cientistas associaram os ataques de elefantes a aldeias na Uganda a uma forma de distúrbio de estresse pós-traumático. Os especialistas acreditam que os elefantes atacaram porque a população humana crescente estava dominando seu território, forçando a separação de alguns elefantes de suas famílias.

Os elefantes são mamíferos muito mais atentos do que suas populares personagens de circo mostram. Na selva, seguem estruturas familiares formalizadas com fêmeas mais velhas, ou matriarcas, no topo. As filhas sempre ficam em contato direto com suas mães, formando famílias. Os filhos deixam a família por volta dos 14 anos, ou quando atingem a maturidade sexual, quando ficam bastante agressivos e excitados, devido aos altos índices de hormônios masculinos. A partir daí, os machos se juntam a outros grupos de elefantes machos, que partem em busca de se acasalar. Durante as secas, várias famílias de elefantes, compostas pelas fêmeas e os filhotes, podem se reunir para formar grupos de união e compartilhar recursos.

Os elefantes também possuem muitas formas de comunicação. Um método para localizar outros elefantes é por meio dos conjuntos de sensores nervosos em suas patas chamados de corpúsculos de Pacini. Os corpúsculos convertem as vibrações sísmicas do chão em um impulso nervoso, que envia uma mensagem ao cérebro sobre a origem e a direção das vibrações. Até as unhas possuem nervos que distinguem a origem dos sons.

Memória de elefante

Os cientistas não conseguiram medir com exatidão a inteligência dos elefantes. No entanto, durante décadas, especialistas observaram o comportamento dos paquidermes e concluíram que eles estão entre os mais inteligentes do reino animal. Por isso, a teoria de que os elefantes nunca esquecem as coisas é exagerada, mas não está totalmente longe da verdade.


O elefante possui o cérebro com maior massa entre os mamíferos, pesando 4,7 kg em um adulto. Embora não possamos julgar com eficiência o funcionamento de um cérebro com base apenas no seu tamanho, ele pode dar uma boa idéia do poder da memória do elefante. Uma forma convencional de medir a inteligência de um animal é o chamado QE (quociente de encefalização), que compara o tamanho real do cérebro de um animal com o tamanho que os cientistas projetariam para se basear no peso do corpo. Para entender melhor essa medida, pense em uma maçã e em um abacate. As duas frutas têm relativamente o mesmo tamanho; porém, uma maçã possui sementes minúsculas, enquanto o caroço de um abacate parece uma bola de golfe.

A lógica é que quanto menor a relação entre o cérebro e a massa corporal (lembre-se do exemplo da maçã), mais irracional será o animal e vice-versa. Por exemplo, as pessoas têm um QE médio acima de 7, enquanto os porcos apresentam um QE de aproximadamente 0,27.

Nessa escala, a medida dos elefantes é relativamente alta, chegando a uma média de de 1,88 nas espécies cruzadas. Fazendo uma comparação, os chimpanzés apresentam um QE de 2,5. Os elefantes fêmeas, líderes das manadas, geralmente têm QEs superiores aos dos machos. Isso provavelmente está associado à estrutura social matriarcal das manadas de elefantes. Estudos também descobriram que as fêmeas mais velhas apresentam sinais de superioridade da memória, alertando o grupo quando surge algum perigo ou quando reconhecem um local antigo de pastagem.

A região olfativa do cérebro de um elefante é extremamente desenvolvida em relação a seus outros sentidos. Os elefantes conseguem distinguir o odor da urina de até 30 parentes fêmeas, mesmo que tenham ficado separados durante anos. Essa característica ajuda os elefantes a permanecerem juntos ao viajarem em grandes bandos, sendo a urina um guia para o olfato. 

Embora as memórias utilitárias dos elefantes os ajudem a guardar informações essenciais de sobrevivência, elas também permitem que esses animais reconheçam o passado. Os elefantes apresentam sinais de sofrimento em relação à morte de parentes, como tocar suavemente os cadáveres com a pata e acariciar os corpos com a tromba. Em um experimento em que foram mostrados diferentes conjuntos de objetos a uma família de elefantes, a reação do grupo foi evidente em relação aos ossos e às presas pertencentes a um parente.

A memória de um elefante não armazena todos os detalhes de cada estímulo já encontrado. O cérebro codifica o que é necessário para a sobrevivência, como o local do alimento e a identificação familiar, da mesma forma que nossos sistemas de memória de curto prazo descartam seletivamente dados ou os transferem para nosso armazenamento de longo prazo. E assim como aqueles momentos que têm um forte impacto em nossas vidas, o conteúdo das memórias funcionais dos elefantes é preservado para recuperação futura.

Curiosidades sobre os elefantes

Os elefantes comem de 72 a 158 kg de comida por dia.

Os bebês elefantes pesam cerca de 90 kg quando nascem.

As presas dos elefantes são feitas de dentina, cálcio e sal.

A expectativa de vida de um elefante é de 80 anos.

Os elefantes usam mais de 70 vocalizações e 160 sinais visuais e táteis para se comunicar diariamente.

Quando um elefante morre, todos os membros de sua manada param junto do defunto e parecem inspecioná-lo com a tromba, como se prestassem uma última homenagem. Além disso, o parente mais próximo do falecido segue o grupo de longe por alguns dias, numa espécie de manifestação pública de luto.

Os elefantes têm, sim, uma excelente memória. Mas não é pelo fato de ele ter a cabeça grande (seu cérebro pesa 5,4 quilos). Acredita-se que isso se deva, em parte, à sua longevidade, de até 80 anos! Vivendo tanto assim, ele acaba memorizando mais.

As orelhas dos elefantes são sua “impressão digital”. As abas enormes têm não apenas formas únicas mas cavidades e riscas inconfundíveis.

A comprida tromba (que corresponde ao nariz e lábio superior) pesa cerca de 140 quilos. Entre outras coisas, este “narigão” permite que ele fareje água a uma distância de quase 20 quilômetros!

Nenhum animal terrestre é mais bem-dotado do que o elefante. Isso mesmo! Seu pênis pode atingir 1,5 metro de comprimento e pesar 2 quilos. E.. salve-se quem puder! Cada ejaculação do bicho é suficiente para encher uma bola de futebol de sêmen… Hehe!

Fonte: Livre Pensar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar