sábado, 22 de janeiro de 2011

Top 10 das mais incríveis viagens de animais

Animais fará e, muitas vezes misteriosas expedições extraordinária para encontrar uma boa refeição, companheiros sexy , bem como o local perfeito para criar uma família. Aqui estão algumas das mais incríveis viajantes do mundo.

10. Baleia Jubarte


Baleias Jubarte detém o recorde mundial de maior viagem de mamíferos. Uma população passa o mês mais quente comendo uma tonelada, literalmente, de comida por dia nas águas ao largo da Península do Ártico. Quando vem o inverno elas nadam 5.000 milhas de distância para balmy criadouros perto de Columbia e do Equador.

9. Enguias de Água Doce


Enguias de água doce nascem preparadas para as águas revoltas que se deparam na vida. Após a eclosão do salgado mar dos Sargaços (Mar dos Sargaços é uma região no meio do Oceano Atlântico Norte , cercado por correntes oceânicas) , as enguias nadam para rios de água doce no Reino Unido e Costa Leste da América do Norte. No caminho, seus rins se adaptar à mudança de salinidade. Quando é hora de botar ovos, as enguias e os seus rins irão retornar às suas origens.

8. Os grous (Grus americana), o mais alto da América do Norte pássaro

O grou é a ave mais alta da América do Norte, mas a destruição de seus habitats praticamente eliminou a espécie. Em determinado momento, restavam menos de 20 espécimes da ave em liberdade [fonte: Cornell Lab of Ornithology (em inglês)]. Toda a população de grous do leste do país desapareceu. Os grous do oeste se recuperaram, até certo ponto, mas os biólogos desejavam restaurar a presença da espécie no leste dos Estados Unidos. Isso acarreta problema maior do que simplesmente transferir algumas famílias de grous. As aves aprendem a voar para seus terrenos de alimentação no inverno quando são jovens, seguindo seus pais. Como não restam grous vivendo no leste, os grous mais velhos não conhecem o caminho. Assim, cientistas desenvolveram um método interessante para ensinar aos grous como migrar.

Filhotes de grous nascidos em populações cativas são criados por humanos que se "fantasiam" como grous, e são acostumados ao som de um avião ultraleve. Quando chega a hora de migrar, as aves são conduzidas em uma jornada de 1,9 mil quilômetros por um piloto no ultraleve. Elas viajam do Wisconsin à Flórida. A esperança é que, quando os grous aprenderem a rota, consigam ensiná-la com sucesso às suas crias e, assim, recriar a população desse tipo de ave no leste do país, dispensando a necessidade de guias humanos de migração [fonte: U.S. Fish and Wildlife Service (em inglês)].

Os grous são aves gregárias, que comunicam entre si através de vocalizações ruidosas. São migratórias e voam sempre com o pescoço estendido. Na época de reprodução constroem um ninho feito de lama e vegetação em regiões pantanosas, onde colocam dois ovos. Os juvenis recebem a atenção de ambos os progenitores.

7. Borboleta Monarca

Migrar longas distâncias esta no DNA de uma monarca. Borboletas monarca não são capazes de sobreviver aos invernos frios da maior parte dos Estados Unidos por isso elas migram para o sul e oeste, em cada Outono para escapar do frio. A migração da monarca normalmente começa no Outubro de cada ano, mas pode começar antes, se o clima se torna frio, mais cedo do que isso.

As borboletas monarca passam seu estado de hibernação no México e em algumas partes do sul da Califórnia, onde é quente o ano todo.

Se a monarca vive nos estados do Leste, geralmente a leste das Montanhas Rochosas, ela vai migrar para o México e hiberna nos abetos oyamel. Se a borboleta monarca vive a oeste das Montanhas Rochosas, então ele vai hibernar e em torno de Pacific Grove, Califórnia, em árvores de eucalipto. borboletas monarca usam as árvores muito mesmo a cada ano quando migram, o que parece estranho, porque elas não são as mesmas borboletas que estavam lá no ano passado. Estas são uma nova geração, a quarta de borboletas monarca, assim como eles sabem que as árvores são as mais acertadas para hibernar? Borboletas monarcas são os únicos insetos que migram para um clima mais quente, a 2.500 milhas de distância a cada ano.

6.Colibri Ruby-throated

O lindo pássaro se alimenta no néctar, insetos e seiva das árvores a fim de ganhar 2 gramas de gordura, quase duplicando o seu peso, para tornar o vôo sem parada de 500 milhas do leste da América do Norte através do Golfo do México.. Muito bonito, não?


5. Salmão

Depois de anos de natação gastos no oceano, salmão segue seu nariz e retorna para os riachos de água doce que nasceram para desovar e morrer. Eles vão nadar contra fortes correntes por centenas de quilômetros para fazer o regresso a casa perfeita, mesmo que isso signifique que chegam em estado de má qualidade.

4. Tartaruga-verde



O instinto maternal obriga a fêmea tartaruga-verde a voltar à sua terra natal para iniciar suas próprias famílias. As tartarugas grávida nadam mais de mil quilômetros de suas áreas de alimentação costeiras no Brasil no meio do Oceano Atlântico Sul para a Ilha de Ascensão. No viveiro de areia da praia pequena, as gestantes esculpem ninhos e colocam seus ovos antes de voltar para casa.

3. Os gnus



Os pastos verdejantes dirigem 1,5 milhões desses herbívoros em círculos. A viagem do gnus ao Serengeti é de mais de mil quilômetros em enormes manadas espetaculares, juntamente com milhares de zebras e gazelas, para evitar os períodos de seca na Tanzânia e no Quênia.

Uma vez que eles têm de atravessar rios, isto se torna uma tarefa difícil. Ainda mais porque todos os tipos de predadores sabem os locais e estão esperando por eles. A estratégia de gnus é simples: oprimem os predadores. Se um leão leva um fora de 10.000, é melhor do que 1 em 10. Então, eles se reagrupar em rebanhos enormes antes de correr pelas águas.

2. Lemmings

Na tundra do Ártico , a superpopulação e a escassez de alimentos envia lemmings sobre as migrações em massa em altas velocidades. Pesquisadores cronometraram uma caminhada dos pequenos mamíferos a quase 10 quilômetros por dia. Para os fracos, o ritmo da viagem é um pouco demais e eles são deixados para trás para morrer.

1. Cigarras

Bilhões de cigarras gordinhas com zumbidos estridentes vem à tona de suas locas subterrâneos este mês para se reunirem, cantar e acasalar . Os insetos terão passado 17 anos de engorda no subsolo, crescendo através de cinco estágios de desenvolvimento. A aparência de canto sincronizado confunde seus predadores, deixando a maioria das cigarras despreocupadas para orgias e festa das suas cinco semanas de vida adulta.


Algumas das espécies maiores conseguem atingir os 120 decibéis com facilidade, enquanto outras menores realizam a proeza de alcançar uma sonoridade tão aguda que seu canto simplesmente não é percebido pelo ouvido humano, embora cachorros e outros animais possam chegar a uivar de dor por causa dele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar