quarta-feira, 9 de março de 2011

Macaco-prego pesca cupins com galho, mostra especialista

Má notícia para os chimpanzés. Seus humildes primos da América do Sul, os macacos-pregos, estão cada vez mais perto de empatar com eles na arte de usar ferramentas. Nova tecnologia dos bichos brasileiros: pescar cupins com galhinhos.

 macaco-prego-galego, foco da pesquisa
E não estamos falando de qualquer macaco-prego, mas do macaco-prego-galego (Cebus flavius), espécie criticamente ameaçada de extinção que hoje só existe num punhado de fragmentos de mata atlântica do Nordeste.

Os macacos-pregos já carregam há tempos a fama de "chimpanzés das Américas", graças à inteligência, vida social complexa e habilidade com ferramentas. A espécie mais comum, a Cebus apella, tem como truque famoso quebrar coquinhos usando pedras como "martelo" --coisa que os grandes macacos africanos também fazem.

Alguns especialistas propunham, porém, que o uso de ferramentas entre os bichos seria típico de ambientes abertos e secos, como o cerrado e a caatinga.


Nesses locais, a relativa falta de comida forçaria os bichos a quebrar mais a cabeça para seu sustento. E, com menos árvores, os macacos passariam mais tempo no chão, usando a postura bípede para manipular objetos.

"O que a gente viu é que isso não faz tanto sentido, uma vez que a pesca de cupins acontece numa área de floresta", disse à Folha Antonio Souto, etólogo (especialista em comportamento animal) da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e coordenador da pesquisa.

CHUPANDO CANA

Os cientistas acompanharam um grupo de seis macacos-pregos-galegos num fragmento de mata atlântica em meio aos canaviais de Mamanguape (PB) -a cana ali é tão presente que os bichos aprenderam a chupá-la.

Camila Bione e Monique Bastos, alunas de Souto, flagraram três dos bichos praticando a pescaria de cupins (veja quadro acima). A técnica envolve dar tapinhas no cupinzeiro, localizado no tronco da árvore, escolher um galho apropriado, enfiá-lo no ninho e girá-lo.

Os tapinhas são importantes porque os cupins "respondem a esse tipo de perturbação ficando em alerta e acabam mordendo o galho", explica Souto. Os pesquisadores chegaram a testar por si mesmos a técnica e viram que o ritual seguido pelos macacos torna a captura de cupins mais eficiente.

"É muito interessante porque é um comportamento considerado emblemático dos chimpanzés", diz Souto. Resta saber se haverá tempo de entender melhor a tecnologia dos macacos-pregos-galegos. Estima-se que haja menos de 200 indivíduos da espécie na natureza.

A pesquisa acaba de sair na revista científica "Biology Letters" e teve apoio financeiro do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Fonte: Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar