sábado, 12 de março de 2011

Momento incrível: jacaré engole piranha. Foto

O Jacaré Caiman, um membro da família de crocodilos, foi fotografado pulando em cima de uma piranha em Wetlands Ibera na Argentina.


Os répteis de água doce, cuja dieta inclui também aves e pequenos mamíferos, podem crescer até 10 metros de comprimento.

Estas incríveis fotos haviam sido tiradas por um fotógrafo amador alemão Gunter Heinz.
O alemão, um eletricista de 46 anos, disse: "Eu queria ter uma figura de ação do jacaré.
"Eu tomei posição na água como o jacaré foi caçar.

"Nós tentamos uma foto subaquática, que não foi muito bem sucedida, porque a água não estava muito claro lá. Eventualmente, porém, ele atacou e eu tive a ação para a foto que eu queria.
"Era tudo em um instante, mas eu fotografo desde os 16 anos e é muito gratificante para mim obter fotos como essas."

As áreas úmidas de Iberá são uma mistura de pântanos, brejos, lagoas estagnadas, lagoas e cursos d'água, na província de Corrientes, Argentina. Uma área de 245 quilômetros quadrados foi designada Zona úmida de Importância Internacional em 2002.

Taxonomia:
Filo: Cordado
Sub-filo: Vertebrado
Super-Classe: Tetrápodo
Classe: Reptilia
Sub-Classe: Diapsida
Infra-Classe: Archosauria
Ordem: Crocodylia
Sub-Ordem: Eusuchia
Família: Alligatoridae
Gênero: Caiman
Espécie: Caiman crocodilus yacare (Daudin, 1802)


Nome Científico: Caiman crocodilus yacare (Daudin, 1802) – Caiman é um termo espanhol para "jacaré" ou qualquer crocodiliano; crocodilus quer dizer "um crocodilo" (Latim). O termo “yacare” refere-se a jacaré ou yacaré de origem indígena.

Nomes Comuns: Jacaré do Pantanal, “Yacare caiman”, “Paraguayan caiman”, “Red caiman”, Jacaré Piranha, “Coscarudo”, “Yacare de Hocico”, “Angosto”, “Yacare negro”, “Southern spectacled caiman”, “Angosto”, “Caimán del Paraguay”, “caimán yacaré”, Jacaré, “Jacará de lunetos”, Yacare, Yacaré.

Características: Em geral é semelhante ao Caiman crocodilus e atinge de 2,5 a 3 m de comprimento. Tem escamas osteodérmicas bem desenvolvidas. Os flancos, que são menos ossificadas, tem mais valor no comércio de peles. No pantanal é chamado de jacaré-de-piranha devido à exposição visível de seus dentes, uma característica não muito comum entre os aligatorídeos. Os dentes da mandíbula podem projetar-se para cima, ultrapassando a maxila superior. O número total de dentes varia de 72 até 82 assim distribuídos: 10 pré-maxilares, 28-30 maxilares e 34-42 mandibulares.


Status: Na sua área de distribuição, o C. c. yacare vem sendo submetido à caça ilegal, há muito tempo. Apesar disso, as populações apresentam-se ainda com densidades altas em algumas sub-regiões, aparentemente graças a sua capacidade de resistir à pressão da caça. No entanto, o desmatamento para a implantação de pastagem no Pantanal pode afetar as populações desta espécie no futuro. O C. c. yacare está listado no Apêndice II da CITES, que permite a possibilidade de comércio internacional. Contudo, até pouco tempo atrás, a espécie estava listada como ameaçada de extinção nos Estados Unidos e assim, o comércio com esse país estava proibido por força da lei Norte-Americana. Recentemente, a referida lei foi aprimorada e hoje é possível exportar produtos e sub-produtos de Caiman para os Estados Unidos. Lista Vermelha da IUCN: Baixo risco de extinção, menos preocupação. Sua população é estimada em 100.000 a 200.000; diminuiu em comparação ao histórico populacional, mas ainda encontra-se amplamente distribuída, podendo ser notadas alta densidade durante a estação seca.

Alimentação: Podem se alimentar de peixes e outros vertebrados aquáticos (como peixes, capivaras, catetos e ocasionalmente cobras), e invertebrados como caranguejos, caramujos e insetos. Ao contrário dos outros crocodilianos, sua dieta é mais influenciada pelo habitat do que pelo seu tamanho.

Distribuição Geográfica: Norte da Argentina, Centro-Sul do Brasil, Sul da Bolívia e Paraguai. No Brasil, a espécie tem larga distribuição na Bacia do rio Paraguai, sendo um animal muito comum no Pantanal dos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Durante a estação seca, os animais concentram-se nos ambientes onde a massa líquida é permanente (rios, corixos, baías, lagoas artificiais), ou permanecem enterrados no barro naqueles locais onde a água quase desapareceu completamente. Com a chegada da estação das chuvas e o surgimento de novas áreas alagadas, os animais iniciam um movimento de dispersão, ocupando diferentes ambientes aquáticos encontrados nesse período.

Reprodução: O período de postura dos ovos para os jacarés do Pantanal depende da chuva nos meses que antecedem o período de postura. O jacaré-do-pantanal usa uma variedade de habitats para nidificar na região do Pantanal. Os jacarés nidificam em florestas que circundam as baías (borda de mata ou cerrado), em manchas de florestas isoladas em campo de inundação (caapão de murundu), em campos de pastagens (campo de Andropogon) e em vegetação flutuante conhecida localmente como baceiro. Normalmente, as fêmeas reprodutivas guardam seus ninhos durante o período de incubação. Esse período fica em torno de 70 dias. Desovam de 20 a 30 ovos em uma câmara no interior do ninho.

Importância Comercial: A caça ilegal, durante os anos 70 e 80, foi a principal razão da queda dos estoques naturais da espécie. Entretanto, apresenta uma capacidade de reprodução relativamente rápida em comparação a outras espécies, o que colabora com a redução dos efeitos da pressão de caça. É uma espécie com alto potencial zootécnico e sua criação comercial (“Ranching” e “Farming”) é possível apenas dentro da bacia do rio Paraguai. Os crocodilianos possuem uma pele muito procurada na indústria de couro. As peles de caiman, provenientes dos jacarés sul-americanos como o Caiman crocodilus crocodilus e Caiman crocodilus yacare, apresentam um menor valor de mercado comparadas às peles clássicas (oriundas das espécies Alligator mississippiensis, Crocodylus niloticus, Crocodylus porosus e Crocodylus novaeguinae).

Fonte: http://www4.icmbio.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar