sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Documentarista fica cara a cara com onça na Amazônia; assista

Documentarista fica cara a cara com onça que fazendeiros tentavam matar
Felino foi flagrado no AM, onde vinha caçando animais de criadores. 
Moradores haviam preparado armadilha; bicho escapou para a mata.



Uma câmara na mão e correria na mata. De repente, um raro e assustador momento: o documentarista ambiental Fernando Lara fica cara a cara com uma onça-pintada (Panthera onca), a uma distância aproximada de 4 metros. O encontro ocorreu porque fazendeiros da região de Presidente Figueiredo (AM), cidade vizinha a Manaus, caçavam o animal na tentativa de matá-lo.

Ele conseguiu registrar a imagem do felino durante alguns segundos, mostrando o animal pronto para atacar o grupo. Felizmente o bicho fugiu sem causar ferimento a nenhum dos presentes.

O encontro inusitado só ocorreu devido a um fato preocupante: fazendeiros da região de Presidente Figueiredo (AM), cidade vizinha a Manaus, caçavam o animal na tentativa de matá-lo. A justificativa era que o espécime havia matado 13 porcos de um criadouro próximo Área de Preservação Ambiental (APA) Caverna Maroaga.

A justificativa para cercar a onça-pintada era a de que o espécime havia matado 13 porcos de um criadouro próximo Área de Preservação Ambiental (APA) Caverna Maroaga. Segundo Fernando Lara, ele e funcionários da APA, ligada ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), entraram na floresta com o objetivo de evitar que a onça-pintada fosse afetada por armadilhas montadas pelos fazendeiros.

“Eles instalaram perto de uma carcaça de animal, que era alimento da onça, espingardas que seriam acionadas assim que o felino pisasse em algum fio”, conta Lara. Depois de negociações com um agricultor local, eles conseguiram reverter a situação, desde que a onça fosse levada para uma região bem distante da fazenda dele.

“Então fomos procurar o bicho, para que ele entrasse para o interior da floresta. Dentro da unidade de conservação, um dos funcionários avistou a onça e ficamos apreensivos. Até consegui visualizá-la, perto de um tronco caído”, disse.



Onça seria alvo de caça
Segundo Fernando Lara, ele e funcionários da APA, ligada ao governo do estado do Amazonas, entraram na floresta no dia 17 de setembro com o objetivo de evitar que a onça-pintada fosse afetada por armadilhas montadas pelos fazendeiros.

Panthera onca
“Eles instalaram perto de uma carcaça de animal, que era alimento da onça, espingardas que seriam acionadas assim que o felino pisasse em algum fio. Encontramos esse agricultor e conseguimos reverter a situação, desde que a onça fosse levada para uma região bem distante da fazenda dele”, afirmou Fernando Lara ao Globo Natureza.

“Então fomos procurar o bicho, para que ele entrasse para o interior da floresta. Dentro da unidade de conservação, um dos funcionários avistou a onça e ficamos apreensivos. Até consegui visualizá-la, perto de um tronco caído”, disse.

Neste momento, a onça saltou no tronco, ficando bem próximo do documentarista. “Ela ficou a menos de 4 metros de distância e abaixou as orelhas, preparando-se para investir contra nós. Ela só não atacou porque ninguém correu e a orientação que tinha era de encará-la. Deu certo, porque ela fugiu”, disse.

De acordo com Lara, o animal entrou para uma área preservada, onde não havia risco de ser alvo de caçadores. “Infelizmente, mesmo em regiões conservadas os animais, como a onça, são procurados para serem mortos e, posteriormente, comercializados”, disse.

O documentarista integra o projeto “Rotas Verdes Brasil”, que vai percorrer 18 mil quilômetros, em 20 estados brasileiros, registrando imagens de todos os biomas nacionais durante oito meses. O dia a dia da expedição, que começou em abril deste ano, pode ser acompanhado no site www.rotasverdesbrasil.com.br.




Eduardo Carvalho
Do Globo Natureza

Um comentário:

Sinta-se a vontade para comentar