sábado, 8 de outubro de 2011

Avestruz 'ataca' câmera de fotógrafo em fazenda em Belarus

Avestruz 'ataca' câmera de fotógrafo em fazenda em Belarus
Cena acabou registrada pelo próprio fotógrafo.
Ela ocorreu em fazenda de avestruzes em Kozishche.

Um avestruz 'atacou' a câmera do fotógrafo Vladimir Nikolsky na quinta-feira (6) em uma fazenda na aldeia de Kozishche, cerca de 300 km de Minsk, em Belarus. (Foto: Vladimir Nikolsky/Reuters)  Do G1

A ave que adotou o Brasil
Enorme, mas dócil e generoso, o animal veio da África para ser a sensação dos criadores
Por Sérgio Adeodato

O avestruz é a maior ave do planeta, mas sempre carregou a fama de ser um animal frágil e medroso. Não é ele que, em desenhos animados ou histórias em quadrinhos, diante de qualquer dificuldade, corre para enterrar a cabeça em um buraco? Pura lenda. Esse comportamento, na verdade, não tem nada de covarde, mas é natural do bicho, que passa grande parte do seu dia comendo. Os pesquisadores descobriram que, ao meter a cabeça num buraco, o avestruz não faz nada mais do que procurar algum tipo de roedor ou outro vertebrado para matar sua insaciável fome. Quanto mais aciência se dedica a estudar esses desengonçados animais, mais se aprende o quanto eles podem ser úteis aos seres humanos. Até medicamentos podem ser produzidos a partir de substâncias presentes no avestruz. Em 1997, só nos Estados Unidos, foram protocolados dois pedidos de patente para a utilização comercial de remédios extraídos da ave. Um deles foi desenvolvido a partir do óleo retirado da gordura do animal e já demonstrou ter eficiência comprovada no aumento da capacidade imunológica do organismo humano. 


Essa nova droga poderá beneficiar pacientes com o sistema imunológico enfraquecido como, por exemplo, os portadores de aids. Um outro medicamento, produzido à base de um extrato de proteínas, obtido da carne, ossos e tendões do avestruz, tem o poder de regular o metabolismo do cálcio e tratar várias doenças que afetam o homem, entre elas diabetes e psoríase, uma lesão da pele provocada por fatores psicossomáticos. O FDA, a agência americana que controla os testes e o comércio de medicamentos, já liberou a venda de pílulas contendo esses extratos. E mais: cientistas americanos concluíram também que é possível fazer transplantes de córnea em seres humanos a partir do órgão extraído do animal. Não bastasse isso, a ave também está se transformando em uma opção alimentar. Sua saborosa carne vermelha tem menos colesterol que a carne de boi ou de frango. A rigor, do avestruz não sobram nem as penas. Além de apreciados complementos das fantasias de escolas de samba, elas podem ser usadas no delicado trabalho de remoção da poeira em componentes da indústria microeletrônica. Seu couro, enfim, também é utilizado na fabricação de artigos finos, como bolsas, carteiras e sapatos.



Aves goianas
Com tamanho potencial econômico, os avestruzes cativaram muitos fazendeiros brasileiros. Em 1995, o animal começou a ser importado da África do Sul, país detentor das maiores criações mundiais. Hoje, os criadores brasileiros já somam no pasto mais de 4 mil animais, entre os quais os primeiros avestruzes genuinamente nacionais, nascidos em criatórios comerciais, que eclodiram dos ovos no ano passado, em Goiás. Mas não foi apenas no cerrado do Brasil-Central que esses animais se sentiram em casa. No semi-árido do sertão nordestino os avestruzes encontraram excelentes condições de sobrevivência e são criados como gado, soltos no pasto.

Na fazenda Chalé da Montanha, em Simão Dias, a 130 quilômetros de Aracaju, Sergipe, 240 avestruzes importados da África do Sul adaptaram-se muito bem à paisagem desértica do interior sergipano. Fixado à porta da refrigerada sala de Ariovaldo Carvalho, o dono da propriedade, um irônico desenho mostra um boi com a cabeça enterrada no solo. Ao lado, uma advertência: "Crie avestruzes ou continue enterrando dinheiro na fazenda". O fazendeiro não tem dúvida: "Essas aves são a melhor alternativa para a pecuária do Nordeste", garante.

Rústicos, os avestruzes têm plumagem isolante térmica que impede a passagem do calor para a pele e, quando adultos, são bem resistentes a doenças. Após os três primeiros meses de vida, quando adquirem rigidez na musculatura e nos ossos de suas longas pernas, podem ser criados no pasto. Precoce, aos 11 meses, quando o avestruz atinge a idade para o abate, pesa 130 kg e fornece 50 kg de carne comestível. Em cativeiro, uma fêmea adulta, com 3 anos, põe entre 40 e 60 ovos por ano, tendo vida reprodutiva de até 40 anos. Por tudo isso, uma ave reprodutora custa caro, entre 3 mil e 5 mil reais a cabeça.

A carne do avestruz - mesmo vermelha - é considerada uma das mais saudáveis do mercado: tem baixíssimo teor de colesterol com sabor e maciez semelhantes à do filé mignon. E também tem pouca gordura: um terço da encontrada na carne bovina e a metade do teor da do frango. Quanto às calorias, ela é mais saudável até mesmo que a do peru, um importante substituto da carne vermelha na dieta alimentar. No Brasil, no entanto, a carne de avestruz importada ainda é vendida a preços proibitivos: cerca de 60 dólares o quilo. Nos Estados Unidos, grande produtor da ave, o quilo vale de 13 a 27 dólares, e, na África, entre 10 e 12 dólares. "Mas esse valor poderá cair com o abate em larga escala", revela Carvalho.



Couro de grife
Se a carne do avestruz ainda não faz a festa da maioria dos brasileiros, o mesmo não se pode dizer de suas penas, indispensáveis no Carnaval. Das 40 toneladas de penas de avestruz importadas anualmente, 22 se destinam à confecção de fantasias e adereços de escolas de samba. O restante, porém, tem um uso economicamente mais nobre: os espanadores para limpeza doméstica ou industrial. Fábricas de computadores, por exemplo, lançam mão das sensíveis penas do bicho para limpar a poeira que se deposita sobre os minúsculos chips eletrônicos.

O couro da ave também é usado. Macio e resistente, vira matéria-prima para a confecção de carteiras, bolsas, roupas e sapatos finos. Esses produtos, inclusive, já freqüentam os sofisticados círculos da alta-costura, pois grifes famosas, como Gucci, Christian Dior e Yves Saint-Laurent, estão produzindo artigos com o material.

E o melhor é que, além de todas essas virtudes, a ave também cumpre um importante papel ecológico. "O avestruz é uma alternativa à agropecuária de bovinos, que compacta e degrada o solo", revela Miriam Luz Giannoni, pesquisadora aposentada da Unesp de Jaboticabal, SP, e uma das maiores especialistas em criação de avestruzes. Os candidatos a criar os animais, porém, precisam saber de um fator importante: por ser uma ave exótica à nossa fauna, a criação de avestruzes precisa ser autorizada pelo Ibama.




Vorazes, comem até pedra

O avestruz leva a fama de comer tudo o que vê pela frente. E é verdade: nada escapa ao seu apetite voraz. "Animais como o avestruz, a ema e o emu, uma ave de grande porte originária da Austrália, geralmente comem bastante", confirma Fátima Valente, bióloga do setor de aves do Jardim Zoológico de São Paulo. "Em vida livre, esses bichos têm o costume de comer pequenas pedras para facilitar a digestão. Já nos zoológicos, é preciso tomar cuidado para não deixar objetos como cadeados ou pilhas perto do avestruz, senão ele come mesmo", testemunha a bióloga. A ave, além disso, é a única com apenas dois dedos em cada pé, ambos voltados para a frente. Como o avestruz é uma ave muito grande, sua estrutura corpórea - incluindo as asas - não está adaptada para o vôo. "Ele não desenvolveu um osso chamado quilha external, que ajuda a segurar os músculos peitorais nas aves que voam", explica a bióloga. Mas essa deficiência ela equilibra com sua incrível velocidade: até 65 km/h.

Os avestruzes costumam viver em bando e são tão fortes que servem de montaria em várias regiões da África. Lá, em algumas reservas e parques, são oferecidas corridas de avestruzes para os turistas.

galileu.globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar