domingo, 16 de dezembro de 2012

Ataque selvagem. Zebra escapa após mordedura de leão faminto. Veja




Nome: Zebra–das–Planícies
Classe: Mammallia
Ordem: Perissodactyla
Família: Equidae
Espécie: Equus Burchelli

Subespécie:
Filo: Chordata
Altura:1.30m
Peso: De 200kg a 380kg


Esta espécie de zebra “mora” em clareiras e savanas. Normalmente, o habitat delas é no Sul ou no Leste de África. É aí que se encontra muito do seu alimento.

Constituição das patas:

A zebra tem cascos, como os cavalos. Os cascos estreitos com pernas compridas permitem uma grande velocidade.

Em cada pata, um dedo, protegido por um casco forte e córneo. Corre apoiada na ponta do casco.

As riscas:

Todas as zebras são diferentes. As suas riscas são diferentes, tanto na posição como na cor. Cada zebra tem os seus padrões de riscas, que faz com que cada zebra seja diferente das outras, como forma de identificação!

As zebras mais novas têm riscas mais escuras, as mais velhas riscas mais acinzentadas.


Nascem completamente brancas, e conforme crescem, “nascem” mais riscas.

As zebras-das-planícies comem erva. Porém, não é só esse o alimento delas! Também comem folhas e rebentos de plantas (árvores, flores…) Este espécie de zebra,precisa de muita água,e vive sempre ao pé de rios… Tem uma digestão rápida. Estas zebras dão-se tão bem, que quando as tentam atacar, fazem uma roda a cercar as zebras doentes, feridas e as crias, para estes não serem atacados.

Quando não se conseguem defender e começam a fugir, os machos ficam para trás, ou seja, na retaguarda do bando, para darem coices e mordidelas aos inimigos que as querem comer, defendendo os que estão mais à frente.


Quando acabam de fugir, os machos procuram as zebras desaparecidas!


Para as zebras descansarem, fazem turnos de um ou mais membros do bando, para saberem se há inimigos à vista!

Estas zebras só têm capacidade de fazer nascer uma cria.

O período de gestação demora um ano.

Quando a cria nasce, todas as outras fêmeas do grupo a rodeiam, para “testarem” a cria a ver se ela sabe como é o padrão das riscas da progenitora.

Para saber se a fêmea quer acasalar com ele, o macho da zebra-das-planícies mostra os dentes e enruga o lábio superiror ,uma forma de “cheirar os sentimentos” da fêmea.

A zebra é um bicho preto com listras brancas ou branco com listras pretas?

Ainda não há uma resposta definitiva para esse que é um dos mais insondáveis mistérios da natureza. Nos debates científicos - por incrível que pareça, há especialistas para discutir esse assunto -, a idéia mais aceita é de que a zebra é um bicho negro com listras brancas. Essa é a teoria que os biólogos americanos Gilbert Scott e Susan Singer sustentam no livro Biologia do Desenvolvimento. A dupla tem dois argumentos principais:

1. Argumento evolutivo Havia uma espécie de zebra, que vivia na África e foi extinta no século 19, que só tinha listras na parte da frente do corpo - o resto era todo escuro.

2. Argumento geográfico Como as zebras são originárias da África, região de calor intenso, o mais lógico é pensar que os ancestrais da zebra fossem mais pretos do que brancos. A cor negra, nesse caso, ajudaria a proteger o bicho dos fortes raios de sol. É a mesma função que a pigmentação exerce no caso dos seres humanos - é só lembrar que foram os homens negros que melhor se adaptaram ao calor de rachar coco no continente. Se a origem das listras é incerta, a função delas é bem conhecida: a seqüência alvinegra é uma excelente arma para camuflar o bicho. Quando a zebra está correndo para fugir de um leão ou outro predador, as listras deformam a silhueta da zebra e fazem com que ela se confunda com a paisagem, ajudando o animal a escapar do inimigo. Uma última curiosidade é que essa peculiar pelagem funciona como uma impressão digital: não existem duas zebras com o mesmo padrão de cores! Cada animal tem um número de listras diferente, com espessuras diversas e desenho únicos. Uma roupa feita sob medida. [por Yuri Vasconcelos - Mundo Estranho]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar