quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Caçada a rinocerontes cresce na Índia

Caçada ilegal de rinocerontes cresce e se espalha na Índia, diz ONG
Caçadores usam tiros de fuzil AK-47 para abater animais, afirma WWF.
Em dois meses, nove animais foram mortos para ter os chifres retirados.

A caçada ilegal de rinocerontes está crescendo na Índia, segundo dados da organização ambiental WWF divulgados na terça-feira (5). Só neste ano, o país teve nove animais mortos - todos em parques de proteção ambiental no estado de Assam.

O último caso ocorreu no Parque Nacional Kaziranga, na segunda-feira (4). Os caçadores, em geral, usam tiros de fuzil AK-47 para abater os rinocerontes, afirma a WWF. Isso permite que eles matem o animal rapidamente, retirem o chifre e fujam antes que os guardas florestais apareçam.
Rinoceronte encontrado na Índia; nove já foram mortos só neste ano (Foto: Divulgação/Michel Gunther/WWF)


Em dois meses, o número de animais mortos já equivale a 43% do total de 21 rinocerontes abatidos por caçadores ilegais em 2012, só no estado de Assam, de acordo com a WWF.

A proximidade da fronteira da Índia com outros países, como Bangladesh e Mianmar, facilita a entrada de armas e permite que os caçadores tenham acesso a máfias de contrabando dos chifres, na avaliação da ONG.

Um dos destinos dos chifres retirados é o mercado negro no Vietnam, onde eles são usados com pretensas finalidades médicas.

Segundo um relatório de organizações ambientalistas, consumidores vietnamitas pagam altos valores por remédios feitos de chifre de rinoceronte, com a ideia de que eles podem curar vários tipos de doenças.
Números divulgados pelo governo da África do Sul indicam que a caça aos rinocerontes teve um aumento significativo em 2012. Acima, um pesquisador do Zimbábue retira o chifre de um rinoceronte

Conservação
O recente crescimento na matança ilegal de rinocerontes preocupa a WWF porque o estado de Assam, até agora, vinha sendo palco de políticas de conservação bem-sucedidas, que elevaram a população de animais para 2,5 mil espécimes.

A ONG diz estar realizando uma campanha internacional contra o contrabando de chifres, marfim e outros produtos obtidos pelo abate de animais selvagens. A ideia é pressionar os governos dos países a proteger a vida selvagem, e aumentar a fiscalização contra caçadores ilegais e contrabandistas nas fronteiras.
Rinoceronte no Parque Nacional Kruger, na África
do Sul (Foto: Divulgação/Universidade de Virgínia)

África do Sul
Na África do Sul, 668 rinocerontes foram abatidos em 2012, um aumento de 50% do total de 448 animais mortos em 2011. O número é o maior já registrado no país, segundo o Ministério do Meio Ambiente.

Mais de 60% dos rinocerontes foram caçados ilegalmente no Parque Kruger, na fronteira com Moçambique. A matança atingiu proporções dramáticas nos últimos anos, passando de 13 animais mortos em 2007 para 333 em 2010, e mais que o dobro em 2012.

Também aumentou o número de pessoas detidas por caça ilegal, de 165 em 2010 para 267 no ano passado.
Apenas no ano passado, 668 rinocerontes foram mortos para a extração dos chifres, um número recorde e aumento de 50% em relação a 2011. A maioria deles foi morta no Parque Nacional Kruger, a maior reserva de vida selvagem do país. Acima, o rinoceronte branco
Fonte: Globo Natureza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar