sábado, 30 de abril de 2016

Mustela carbonizada. Animal desliga acelerador de partículas de 7 bilhões de dólares

O maior acelerador de partículas do mundo, localizado perto em Genebra, na Suíça, perdeu o poder sexta-feira.
Foto ilustrativa de um animal parecido com o que
 teria mordido o cabo do LHC 
- Foto: Reprodução
 Engenheiros que estavam investigando a falha e fizeram uma descoberta macabra - os restos carbonizados de uma doninha, disse à CNN o porta-voz do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern, na sigla em francês) Arnaud Marsollier. Disse também que levará alguns dias para que o CERN volte a funcionar, mas que o equipamento está bem e será facilmente consertado.




Uma fuinha é apontada como a responsável pelo desligamento do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês)
O pequeno bicho roeu o cabo de um transformador de 66 quilovolts dentro de uma instalação elétrica fora do edifício principal.


A perda de energia inesperada foi encerrado o Large Hadron Collider, durante pelo menos uma semana como os engenheiros trabalham para fazer reparos e abordar outras questões, disse Marsollier.

Lamentável morte da doninha não é o primeiro problema do tipo que é enfrentado pelo CERN, que já teve problemas técnicos devido a animais. A instalação é no campo,  gigantesco acelerador de partículas de US$ 7 bilhões funciona num túnel subterrâneo na fronteira da França com a Suíça.

Em 2009, um pássaro que tinha dedos de manteiga -  queremos dizer garras - quando ele deixou cair uma baguette no sistema elétrico . O pão tostado causou um curto-circuito, deixando parado o trabalho na instalação por um tempo curto. Ao contrário da mustela, a ave sobreviveu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar